Primeira mulher a liderar o Cangaço é tema de livro lançado na Fligê

“Uma mulher à frente do seu tempo no sertão baiano”, esta foi Anésia Cauaçu, a primeira cangaceira do Brasil e personagem icônica do período da República Velha que marca também o último dia da Fligê.

A personagem real se mistura com ficção para compor o romance “Anésia Cauaçu”, do autor jequieense Domingos Ailton, lançado neste domingo durante palestra apresentada pelo escritor e mediada pelo professor Romildo Pereira das Edições UESB.

“Ela foi a primeira mulher a ingressar no Cangaço. E, ao contrário de outras mulheres como Maria Bonita, Dadá e Lídia, que ingressaram no cangaço através dos seus companheiros, Anésia era a líder de mais de cem homens”, conta Domingos, claramente orgulhoso da sua personagem real.

Domingos também já desenvolve outros projetos para Anésia, como a composição de um roteiro escrito em parceria com a atriz Ingra Lyberato e o jornalista Judson Almeida para um documentário sobre a cangaceira brasileira.

Participando pela primeira vez da Fligê, Domingos disse está “achando bastante interessante porque se discute o livro mais representativo da literatura brasileira que é o livro Os Sertões e os 120 anos da Guerra de Canudos, que foi um acontecimento importante não só para a Bahia e o Brasil como para o mundo”.